Google
 

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Outros ritmos - Compositores da Bahia

Paulo Costa Lima

Paulo Costa Lima
(1954)


01 IBEJIS, para flauta e clarineta
Lucas Robatto, flauta
Pedro Robatto, clarineta

Wellington Gomes (1960)

02 FANTASIA, para violoncelo e orquestra de câmara
Christian Knop, violoncelo
Bahia Ensemble
Piero Bastianelli, regente

03 QUATRO PEÇAS PARA PIANO
Diana Santiago, piano

Paulo Costa Lima

04 APANHE O JEGUE, para flauta e piano
Lucas Robatto, flauta
Mário Ulloa, violão

05 PEGA ESSA NÊGA E CHÊRA, para piano
José Eduardo Martins, piano

06 IMIKAIÁ, para piano
José Eduardo Martins, piano

07 PONTEIO-ESTUDO, para piano
José Eduardo Martins, piano

08 ATOTÔ DO L'HOMME ARMÉ, para orquestra
Bahia Ensemble
Piero Bastianelli, regente

Wellington Gomes

09 REMINISCÊNCIAS, para oboé, clarineta e fagote
Adriana Cantarelli, oboé
Klaus Haefele, clarineta
Cláudia Sales, fagote

Paulo Costa Lima

10 SARUÊ DE DOIS, para 2 clarinetas
Pedro Robatto e Joel Barbosa, clarinetas

Lindembergue Cardoso (1939-1989)

11 MONÓDICA, para clarineta e piano
Pedro Robatto, clarineta
Eduardo Torres, piano

Ernst Widmer (1927-1990)

12 ONDINA, para flauta e piano
Lucas Robatto, flauta
Eduardo Torres, piano

Wellington Gomes

13 FREVINHO, para orquestra
Bahia Ensemble
Piero Bastianelli, regente

Ganhador do Prêmio Copene de Cultura e Arte
1995

DOWNLOAD

O CD foi gravado em diversas ocasiões e locais que vão de Salvador a Sófia, capital da Bulgária. As composições de Gomes revelam um desejo de atingir o ouvinte mais diretamente, por meio de padrões tonais identificáveis e formas bem delimitadas. Especialmente delicioso é o "Frevinho" (1995), com o Bahia Ensemble, que encerra o álbum. Ele tem duas sessões distintas e contrastantes. A primeira propõe clusters e harmonias divergentes, ao passo que a segunda executa um frevo reducionista com sabor de Stravinsky. Apesar de mais jovem, Gomes soa mais conservador que Costa Lima.

O ponto alto do CD está entre as faixas 4 e 8, com obras de Costa Lima que se aventuram pela enunciação vanguardista a reboque da pluralidade rítmica do candomblé. A seqüência têm início com a abordagem eufórica do flautista Lucas Robatto e do violonista Mário Ulloa: o "chorinho" "Apanhe o Jegue" (1996), que mescla um opanijé de Omolu à "Badinerie" de Bach. Segue-se o tríptico formado pelas peças para piano "Pega essa Nega e Chêra", "Imikaiá" e "Ponteio
", escritas entre 1991 e 1993. São interpretadas por José Eduardo Martins, em gravação realizada na Rádio Nacional da Bulgária, em Sófia. Tomado por uma volúpia rítmica, Martins explora com engenho expressivo os temas de barranqueiros do rio São Francisco e do candomblé, transfigurados nas peças em piano-percussão que se pretende nirvana. Em meio à batucada, Martins traz à superfície a estrutura melódica das obras, como a demonstrar a filiação européia da afro-baianidade. A ironia se consuma na faixa posterior com a peça orquestral "Atotô do L´homme Armé" (1993), pelo Bahia Ensemble. Mais uma vez, o autor conjuga candomblé e erudição ocidental. Põe em discussão acalorada um alujá de Xangô com o tema medieval "L´homme Armé", madeiras, metais e berimbau.

Luís Antônio Giron
Para ler o texto completo, clique aqui

Um comentário:

paulo sergio disse...

genial !!! o seu blog dá sempre uma vontade de quero mais.

pensando clássicos Headline Animator

Orkut: Comunidade Música Brasileira de Concerto

Um espaço para todos os visitantes deste blog, onde poderemos trocar idéias para futuro do blog, discutir temas relativos à música brasileira e também nos conhecer.

Comunidade Música Brasileira de Concerto